You are currently browsing the tag archive for the ‘lembranças’ tag.

Às vezes amarga,
outras vezes,
sincera,
comovente,
e recheada de lágrimas,
ou sorrisos. 

Saudade

Saudade

  São lembranças,
alternadas pelo tempo,
por nossas histórias,
revitalizadas por nossas conversas ao telefone,
ou por e-mails melancólicos,
ou ainda aqueles cheios de novidades.

 

Esta, com certeza, é uma palavra perplexa,
extasiada,
solúvel,
inerente a tudo que nos cerca,
e muitas vezes complicada,
por não sabermos lidar com ela.

 

Saudade do cheiro da chuva

Saudade do cheiro da chuva

Saudade,
é um som único,
uma exclamação não existente em todos os idiomas,
mas completamente presente em todo espaço,
em todos os lares,
em todos os seres,
em todos aqueles que se amam,
e amam ao próximo.

Sem explicações,
ela se tornou a reunião mais perfeita,
mais simples e evasiva,
de nossas fotos,
nossas cartas,
nossas despedidas,
nossos reencontros,
de nossas ligações de horas,
de abraços,
de estrelas e constelações a lembrarmos um do outro,
de nossa convivência. 

Saudades do que trazia as cores

Saudades do que trazia as cores

Não adianta querermos inventar soluções,
revirar montanhas,
atravessar rios e mares,
invadir terras e construir cidades,
a nossa volta,
sempre existirá,
um toque que sentiremos falta,
um beijo que nossa boca não sente mais,
um corpo que o nosso não está mais ao lado,
palavras que ficaram para trás,
distâncias que nos levam,
pessoas,
amizades,
irmãos,
sonhos. 

Saudade de você

Saudade de você

Sempre existirá,

Continue lendo »

Imenso…

Leve, límpido e puro…

Mar de Lembranças

Mar de Lembranças

São as primeiras horas desta manhã de sexta-feira, e em poucos instantes olhando e observando esta imensidão diante dos meus olhos, percebi um lindo flash de fotos e vídeos passando initerruptos.

Em tons de serpia, outros multi-coloridos, alguns ainda em preto e branco. Mas todos refletindo no azul do mar em seus instantes de torrentes e em suas calmarias, o que eu já passei em meus dias, nos meus momentos, entre os que amo e os que me odeiam, no meio das minhas lutas intensas, das minhas derrotas e vitórias, entre os instantes mais preciosos, que são os segundos de nossas vidas.

E por isso me questionei por tudo, pelas dores, pelas tristezas, pelas riquezas, pela falta de sensibilidade, pelo racionalismo exagerado, pela incoerência entre as decisões dos homens, pelos sonhos distantes, por que da existência dos que atrapalham e te sugam, pelas aparências, maquiagens e pela nudez da sinceridade. Todas essas perguntas pelo simples fato, de que em todo o flash proporcionado pela trasparência deste azul eterno, me vi arrodeado por estas situações.

Então,

Continue lendo »