You are currently browsing the monthly archive for junho 2015.

Abrir os braços para nos conhecer

Abrir os braços para nos conhecer

Será que realmente nos conhecemos?
Será que as nossas verdades são realmente a realidade da vida e do homem?
Será que o que chamamos de paz com o corpo e alma de fato é a paz que precisamos?
Será que conhecemos os valores reais das nossas vidas?
Talvez, não sei, em partes ou uma dessas partes.

Você pode atravessar o mundo,
E muitas vezes não se dar conta que na verdade está atravessando os hemisférios das verdades que a vida nos proporciona.
Mas, que cabe a nós a escolha que queremos seguir.
Que com certeza transcenderá um pouco, muito ou tudo sobre nós.

Onde chegaremos com nosso autoconhecimento ?

Onde chegaremos com nosso autoconhecimento ?

E de repente,
O que pode ser, se torna em um novo mundo de opções ou o verdadeiro mundo de opções que temos em nossas mãos.

Se deixe perceber mais sobre seu corpo, sobre seus limites, ou mais sobre o que deve aprender sobre ele.
Se deixe descobrir mais sobre sua alma e o que de fato lhe traz paz, lhe arrepia, lhe recarrega as forças do coração.
Conheça um pouco mais sobre a simplicidade, pureza, amor, respeito, doação, espiritualidade e tantas outras energias que podem te cercar, que você pode compartilhar e aprender sobre você.

Como sabemos tão pouco sobre um todo que reside em nosso corpo e alma.
Como sabemos pouco sobre as transversais da alma, e o quanto temos que fazer para podermos evoluir.
Como sabemos pouco sobre nosso corpo e o que de fato ele precisa para partilhar de uma vida mais saudável com mais equilibro e com uma energia mais pura.
Como temos que aprender e rever sobre o nosso próprio equilíbrio.

Continue lendo »

Anúncios

Onde ficou o nosso passado?
Falo de um passado mais distante, de muitas idades de muitas vidas,
Onde ficou a crença dessa época?
Onde perdemos a realidade que nos traz lembranças não reconhecidas?
Mas sentidas?
Onde deixamos no tempo partes da nossa história,
Do nosso caminho,
Do nosso jeito,
Da nossa própria vida,
Própria alma
E amor,

O quanto deixamos para trás?

O quanto deixamos para trás?

Devemos ter esquecido,
Ou o tempo maltratou e escondeu esses pedaços de nós mesmos.
Talvez como castigo,
Talvez como obstáculo,
Talvez como destino,
Talvez por merecimento
E ainda,
Talvez por crescimento pela necessidade de evoluirmos.

Não deixa seu passado escondido

Não deixa seu passado escondido

Enfim,
Mas a verdade é que nos reconhecemos em várias passagens.
Nos vemos como parte de algo,
Que não faz parte do hoje,
Faz parte de algum momento em que vivemos e nele construímos partes de nós.

Continue lendo »