Não é verdade?
Sempre nos questionamos porque estamos nos sentindo assim.
O porque de tanta felicidade,
porque os olhos tristes,
porque tamanho medo ou receio,
porque está apaixonado ou cheio de ódio.

Ou seja,
colocamos em questionamento os nossos próprios sentimentos.
Será por falta de conhecimento de nós mesmos?
Será por insegurança do “arriscar”?
Enfim, questionamos e isso movimenta tudo em nossa vida,
trazendo lições, obstáculos e aprendizagem.
Claro, um pouco mais de conhecimento sobre nós mesmos.

Medo

Medo

Se sentimos MEDO,
tentamos nos esconder,
tentamos nos proteger,
ou ainda tentamos desviar do assunto.
Mas de alguma forma tentamos nos livrar da tensão causada
pelo medo corroendo os sentidos.
Tentamos não enfrentá-lo,
para não haver desgastes.
Tentamos suprir o mesmo espaço com outros sentimentos.
E ainda com medo, mudamos a página,
e pedimos a Deus uma página em branco sem sombras.
E o medo se vai, com passagem de volta
sem direito a avisos.
Ou não nos deixa, e acaba nos consumindo.
O medo é assim…
Invasivo!

Alegria

Alegria

Se sentimos ALEGRIA,
sentimos mil vontades ao mesmo tempo,
queremos gritar aos quatro cantos tanta felicidade,
queremos compartilhar com os melhores amigos.
Com a alegria exagerada estampada no sorriso,
Mudamos nossa visão das coisas,
o difícil já deixa de ser impossível,
as dores deixam de ser feridas sem cura.
O mundo passa a conspirar de forma positiva,
Tudo passa a ter um brilho especial.
Paramos até mesmo de nos cobrar tanto,
ou passamos ver as cobranças como mais um passo que podemos alcançar
e ser um pouco mais feliz.
E essa alegria acaba percorrendo e transbordando,
transformando todos os nossos achometros,
deixando tudo em nosso caminho mais leve,
mais vivo.
A alegria é assim…
Expansiva!

Raiva

Raiva

Se sentimos RAIVA,
tudo e todos se tornam os culpados dos nossos problemas,
das nossas angústias.
Tornamos os dias e cada instante mais dificeis,
mais cruéis.
Não damos oportunidade para explicações,
para ajustes, correções.
Não nos permitimos ouvir ou observar as possibilidades.
Tudo que está em nossa volta deixa de ser especial,
perde o colorido, a transparência
e qualquer essência que pudesse ter.
Confundimos nossa imagem com
rabiscos PB sem os traços sinceros,
sem as linhas curvas da vida,
tornamos tudo em linhas frias,
marcadas sob a força da mão sobre o papel
e tristes por estarem calejadas.
Permitimos que as sombras de outras tristezas
venham a tona,
e nos arranque do elo da sabedoria,
do bom senso,
dos sentidos
que sempre nos guiam com mais clareza sobre nosso caminho.
Nos isolamos de tudo e todos.
A raiva é asssim…
Impiedosa!

Amor

Amor

Se sentimos AMOR,
é como se tudo tivésse apenas essa válvula.
Nossa mecânica racional, física e emocional mudam de direção,
pois as prioridades mudam,
os encaixes se alinham com outros,
e o nosso todo se transforma em algo maior.
Os nossos sentimentos afloram
e a sensibilidade se torna mais presente.
As nossas escolhas dobram em opiniões,
e ficamos mais flexíveis em escolhas que outrora não seriam as nossas,
mas agora são.
Porque estamos diante do verdadeiro amor,
e com ele queremos navegar por todos os mares,
ouvir todos os pássaros,
contar as mais belas histórias
e por horas se deliciar com os melhores vinhos.
O amor nos leva e nos traz,
a mundos inexplorados e
situações únicas.
Ele nos divide e nos torna um só,
a ponto de desejarmos mudar o mundo com nosso amor.
Passamos a acreditar ainda mais na vida,
ou pela primeira vez,
mas nos doamos mais,
somos mais presentes com nossos próprios sentimentos.
O amor nos liga, conecta, interliga
aos mais belos sentimentos,
o nosso peito se enche de paz
e transbordamos de desejos.
Mas também amamos com dor e sofrimento,
por isso, precisamos realmente perceber se é o amor
que está em nossa frente.
Porque ele nos testa e podemos nos deparar
Com amores que são apenas boas ou amargas paixões.
O Amor é assim…
Inconfundível!

Ainda assim nos deparamos com sentimentos
adversos e diversos em todos os instantes.
Uns que permanecem e se alojam em nossas vidas,
outros que de forma passageira apenas surgem para nos dar algum aviso,
ou ainda aqueles que nos isolam para pensarmos mais em nós mesmos
e em nossa vida.
Céticos ou não,
duvidosos ou não,
apaixonantes ou não,
curiosos ou não,
são estes sentimentos de ontem,
de hoje e de amanhã,
que farão de nossos dias
nossas próprias lições.
E sábios serão aqueles que entederam
cada mensagem,
cada passagem,
cada dor ou alegria.
Pois estarão em seus momentos de lição,
que da mesma forma não se repetirão.

O sentimento de agora,
merece a sua e a nossa atenção,
merece a percepção da escolha,
da condução.
Merece nossa mão, braço e todo corpo,
para conseguir completar seu ciclo e partir,
os que precisam e não podem permanecer,
e perdurar,
os que precisamos que sejam eternos.
Não podemos deixar que eles passem sem cumprir sua missão.
Pois a pureza ou a impureza que eles possuem são únicas,
e precisamos aprender a lidar e conduzí-las em nossas vidas.
Pois a vida que vivemos é essa,
exatamente essa,
a que sentimos.

By: Jeff Wendell 

Anúncios